A menina que matava caracóis

Filosofias úteis, inúteis e outras coisas que você pode não precisar.

Arquivo para o mês “agosto, 2011”

Ele é bonito

Já hoje me sinto bem na sua presença. Voltou-me a vontade de fazer as coisas, terminar tarefas, sair; voltou o desejo de ser feliz. A saudade foi, ao mínimo, parcialmente curada – ainda que cresça outra vez. Mas queria ter te beijado a boca, te abraçado como nos velhos tempos e enroscado as mãos carinhosamente nas suas mechas de caracóis. Eu não falei que ele era bonito?, perguntava orgulhosa. Tá, ele é bonito., respondia Rafa. Ele é lindo!, exclamava com os olhos a brilhar. Queria escrever um texto enorme, digno da mesura de minha felicidade. Mas impossível transferi-la toda por escrito! Acho que vai dar tudo certo. Eu sempre te dizia isso… E sempre dava, né?

Saudade pura e genuína

Não entendo porque sempre que levanto, a vida me derruba outra vez. Eu queria você e só você… Impossível parar de te gostar, de te querer. Vontade de você. Às vezes, não te telefono porque não tenho saudade de digitar seu número, mas da sua companhia. Sua presença, seu peito pra encaixar a cabeça, seu quente passando pra mim num abraço cotidiano. Seu rosto tão meigo, bonito, desenhado em traços definidos e muito especiais. A textura do seu cabelo, a maciez da sua boca, a cor de madeir dos seus olhos. Eu me odeio. Só queria você ao meu lado… Pra falar a verdade, não sei nem mais o que falar. Não é carência, é saudade pura e genuína. Vontade de você. Eu te amo, Pa.

Noite no cinema

Foi basicamente isso a minha noite. 😉

Só explicando uma coisa: essa tirinha vale um post, por isso não está na página de tirinhas. 😉 E, sim, eu chorei na primeira vez que apareceu a pedra do Rei… E no resto do filme também… Aliás, choramos – sister estava junto. ><

Beijinhos,

Letii

Agonia manifesta

Acho que meu grande problema foi sempre ter uma noção do que fazer. Até parava para pensar por uns bons dias, mas tinha certeza de qual seria o final – e este sempre era. E toda essa pressão de faculdade, vestibular, estudos, término de namoro, conflitos escolares, familiares, fraternais. Fatores intensamente agravantes de minha situação. Não ter ideia de qual atitude tomar me corrói por dentro – e a agonia é tanto que se manifesta fisicamente, numa dor de desespero. Os olhos derretem em mar e me preocupo. Tenho medo. Medo desta vez racional e fundamentado em boa base, mas medo. É horrorosa a sensação. E aguento, suporto, vou levando. Não há muito o que possa fazer. Amigos me ajudam (e sou eternamente grata) mas a decisão só cabe a mim. Só espero tomar o caminho certo.

Edição Especial – Invasões (ou pequenos depoimentos)

Não achei imagem que tivesse a ver com o post, então coloquei um gatinho mesmo. *-*

Como eu não sabia o que escrever, mas precisava postar pra não desatualizar o blog, aproveitei que estou cercada de gente legal e resolvi fazer uma Edição Especial – Invasões. Algumas delas fui eu quem digitou, mas eles que me disseram o que queriam falar. Divitam-se!

Daniel: Hoje o dia ficou muito tenso depois da aula de matemáica. #TENSO
(pra quem não sabe, TODO MUNDO se ferrou bonito na prova de ontem)

João: oi letii sigam @johncavalli
(ok, né. ><)

Rafaela: oi lettie bobinha hahaha a nao tem muito o que fala nesse momento porque leticia ta me enchendo o saco pra escrever algo interessante, mas nao tem nada no momento entao beijos hahaa
(redundância? heauheuahe)

Laura: Eu estou brava porque você desligou o meu computador e agora eu vou desligar o seu!

*tenta desligar o meu*

Eu: Não, Laura!

*pequena luta*

Eu: Laura, saí daqui! *rindo*

Laura: Eu vou sair, mesmo. *rindo*

*ela sai*

(não estou ajudando a minha reputação, maaaaaaaaas)

Gardenal (sim, esse é o sobrenome dele. Eu também dei risada quando soube): Pra você ficar legal, Rafa Gardenal, contra stress e baixo astral, não é o genérico, é o original!
(explicado o porquê do sobrenome)

Extra do Gardenal (o poeminha): Rosas são vermelhas, lagos são azuis, isso nao tem nada a vê, mas eu gosto de vc !
(só não tá pior que o da minha mãe: Subi no pé de couve para ver o meu amor passar. O meu amor passou e eu desci do pé de couve.)

Lucas: Depois dessa ^ não tenho nada a declarar………………………..

brinks, só deixo uma DICA : Quanto mais perigoso e proibido, melhor, né léti?
(eu e Lucas temos um caso #NOT)

P.s.: Por enquanto, é só. Não estou em casa, então quando chegar coloco a imagem e atualizo em todas as redes. Mas, antes, mais um extra do Gardenal (ninguém aguenta mais ele ><): Completando a citação do meu amigo Lucas: ” Quanto mais perigoso for o perigo, mais perigoso será!”. -> Típico momento MAS QUE MERDA?!

P.s.s.: Coloquei! 😀

P.s.s.s.: Só pra constar, o Gardenal é um paga-pau e roubou a propaganda farmacêutica do tio dele. U_U Segundo o Rafa, foi uma frase roubada do Ilustríssimo Senhor Marcos Gardenal ! Gardenal, seu bobo, não se faz isso, queime no inferno.

Meu dia perfeito

Era mais ou menos desse jeito que eu estava. #MENTIRA

O meu celular quebrou (precisarão desta informação num futuro bem próximo). Meu celular quebrou e, consequentemente, estou sem despertador (falei que iam precisar). Não que eu tenha ido dormir cedo ontem, mas não fui dormir tão tarde: era por volta das onze horas. Em função de decorrente s fatos, o celular de minha irmã que tem nos acordado todos os dias. Mas, hoje, minha manhã foi diferente e inusitada: estava sonhando com o intervalo escolar – que ocorre próximo às nove e meia – quando ouvi alguém gritar: Dez pras sete! E fiquei pensando ‘Poxa… Sete? Mas o intervalo não era às nove? Então, porque será que… PUTA QUE PARIU!’. Sim, eu acordei atrasada. MUITO atrasada. Entretanto, por algum motivo ainda desconhecido, eu não estava provida de tipo nenhum de forças que me auxiliassem a levantar. Consegui, apesar de tudo. Coloquei a primeira camiseta que vi na frente (uma que usei ontem), independendo do fato de ser uniforme. Pus duas calças (está frio aqui) e meias de qualquer jeito. Escovei os dentes, me olhei no espelho: o rímel e o delineador preto ainda estava perfeitamente desenhado nos meus olhos… Foda-se, vou assim mesmo. Sim, eu fui pro colégio com a maquiagem de ontem. Lavei só em baixo dos olhos. U_U Cheguei atrasada e perdi a primeira aula. Meu nariz estava horrivelmente entupido, eu estava com sono e falava como uma bêbada. Penteei meu cabelo apenas da terceira aula. Fiz meu xixi matinal somente na quarta aula. Tirei a maquiagem só quando voltei para casa. Passei o dia morrendo, fiz uma prova de trinta questões e, depois, uma prova de química para a qual eu tentei estudar – mas desisti quando percebi que só estava ficando mais insegura. Tirei seis, pelo menos. É… Meu dia foi perfeito. 😀


Letícia na aula.


Letícia respondendo a uma pergunta.

Beijinhos,

Letii

P.s.: É verdade, eu adorei meu dia (sem ironias). Hehe.

Outro dia

Ah, o que posso dizer? A tpm aumenta tudo, mas estou feliz, né? 🙂 Feliz, triste, confusa, animada, nostálgica, de tudo um pouco. Vou me superando e superando o mundo cada vez mais. Outro dia falo mais sobre isso. 😉

Esses meus tempos

“Mas nada fica..
Em cinquenta anos ou mais,
tudo mudará, você vai ver.
Mas tudo é divino nos dias de hoje!”
Nowadays, Chicago soundtrack

A começar por predicados físicos, seus cabelos são cromáticos em prata. Os olhos em formato bem redondo, de um azul velho que parece cansado e sobrancelhas quase inexistentes. As mãos magras de veias fortes e saltadas que eu gosto tanto de observar. A dupla de aliança num dedo da mão direita, a pele manchada de idade. Seu corpo é levemente curvado e não traz traços femininos explicitamente acentuados, mas é graciosa. Ela discorre sobre a vida, me enaltecendo importantes valores que devo comigo levar. Não devemos desdenhar nada nem ninguém, ela me diz. E eu sorrio. Pergunto sobre irmãos, pais, avós. Ela me fala novamente sobre o pedido de namoro do meu avô a seu pai – crônica que eu adoro! – e sinto a saudade e alegria, alegria!, como ela diz, em seus olhos. Viva la gioventù!, ela repete quando eu e minha irmã fazemos graça. Como eu gosto dela… Mas como eu gosto dela! Devaneio em meio às suas falas que aludem a épocas antigas, quando ela ainda era jovem. O bairro pobre, o clube da comunidade alemã, a matinê do cinema, a rua iluminada só até a parada do bonde. Imagino-a caminhando pelas ruas da velha São Paulo num vestido suavemente amarelo, cabelos presos e uma sandália como que de boneca. Vejo-a adolescente em seu rosto e ela devia ser linda. As memórias… As memórias de alguém são algo que se deve guardar. Guardar bastante bem, muito perto de si e não deixar ninguém roubar. Penso no futuro. No meu futuro. O que hoje é tão moderno a nós, será obsoleto aos nossos filhos. E, sim, eu vou contar minhas histórias. O que aprontei, o que aprendi, os namoros que tive, os apertos que passei, as horas gastas na companhia das amigas. E eles vão achar lindo. Vão me imaginar mais nova, estudando, traquinando. Vão me imaginar como se fosse eles e lastimarão pelo anseio de ter conhecido esses meus tempos. É a época mais preciosa de uma vida: a felicidade. Fico contente por você, vó. Por ter tudo isso a me passar e minutos a dedicar. Você não poderia ser mais perfeita.

Suas mão quentes segurando as minhas


A
cho que aprendi a esconder certos tipos de sentimentos. Todavia não me vi no espelho, mas as lágrimas devem estar escorrendo o rímel – enegrecendo minha pele branca. Não posso negar que melhorei, que tives momentos felizes, que ri de coisas bobas apesar do que se foi – mas em algum lugar lá no fundo, eu tinha certeza do quão difícil seria te ver mesmo depois desse pouco tempo. De modo infeliz, a vontade de alegria camufla as outras sensações  – sim, aprendi a esconder sentimentos – e não deixa nem a mim saber o que estou sentindo. Eu aprendi… Quando ficava mal, me sentia sozinha. Apenas rabiscava um sorriso no rosto e tudo estava bem. Quando eu me excluía e pensava que não tinha com quem contar. Eu contava comigo mesma e alienava o resto do meu interior. Eu aprendi a esconder sentimentos e isso me dói aguda e friamente no arrependimento. Eu ainda me orgulho de te ver em cima do palco. Você é lindo, Pa. Não somente no sentido de beleza, mas numa gama muito abrangente. E seu sorriso… E os seus olhos‘São misteriosos’ foi o que eu disse, não? São… Ardeu no peito te ver e não te poder beijar, dar um parabéns digno do ator que é. Segurar as suas mãos quentes segurando as minhas. E eu não sei mais o que dizer…

Dica de jogo

Por hoje, vou me bastar a indicar um jogo no qual me viciei. ><

Beijinhos,

Letii

Papa’s freezeria

(sim, eu A-DO-RO jogar esse tipo de coisa… e jogos de meninas também ><)

Navegação de Posts

%d blogueiros gostam disto: