A menina que matava caracóis

Filosofias úteis, inúteis e outras coisas que você pode não precisar.

O banco

Um banco de tábua torta
São Paulo dos anos 40
Folhas secas em volta
Uma rua asfaltada e poirenta

Um banco de tábua torta
Uma calçada de pedra para sustentar
A gente que passa é porca
E faz uma papelzinho magenta a visão atrapalhar

Um banco de tábua torta
Um ônibus branco a passar
Vejo tudo por uma porta
Que transita branco, dourado e vidro em meu olhar

Um banco de tábua torta
E ninguém pra sentar no banco

Navegação de Post Único

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: