A menina que matava caracóis

Filosofias úteis, inúteis e outras coisas que você pode não precisar.

Arquivo para o mês “setembro, 2009”

A mínima ideia

Olá!! Tudo bem com vocês? Bom, espero que sim! Bom, hoje não sei muito o que escrever, mas deem uma olhada ali do lado (ó —–>) que eu fiz uma nova repartição! ^.^

Ah, eu queria escrever. Mas é que eu estou pensando no livro (que eu estou escrevendo) e não tenho a mínima ideia do que escrever. -.-‘ Então,

Beijinhos,

Letii

Uma “Isaaca” Newton. Que tal?

isaac-newton

Que fique bem claro que eu não sou contra a Igreja Católica. O problema é: há coisas que ela prega que eu não entendo. Por exemplo: uma vez, eu vi um filme que se passava no México, no século XXI – no máximo no final do XX. Aí, uma moça chegou pro padre pra se confessar e disse: “Padre, eu gosto de me tocar. Isso é pecado?”. Ele disse que não. Ok. Aí, ela disse que, quando se tocava, pensava em Jesus. “E isso, padre? É pecado?”. Ah, isso é – ele respondeu. Por quê? Até onde eu saiba, a Igreja Católica prega que Deus nos deu o livre arbítrio. Sendo assim, a moça teria o direito de pensar em quem quisesse, concordam? Além disso, eu tenho certeza de que Jesus já se masturbou. Ué, e dái? Grande porcaria. É extremamente natural, além de ser uma prática saudável. Me ensinaram na catequese que Jesus foi feito para levar sua vida como um ser humano, passando por tudo o que o homem passa. Por acaso você não se toca? Bem, se ainda não, o fará – isso eu lhe asseguro. Até já me disseram que Jesus teve uma filha (Sarah) com Maria Madalena! Para aqueles que não sabem, Maria Madalena era prostituta, e ela seria apedrejada por tal fato. Mas Jesus disse que não deveriam apedrejá-la. Ele disse aquele que não tiver pecados que atire a primeira pedra.” (haa, descobri da onde vem a expressão! >_<“) E, com as palavras da Bárbara, se nem Jesus nos julgou, porque a Igreja nos julgará? (acho que isso não tem muito a ver com o resto da história, mas é uma coisa interessante de se passar para os outros. ;])

Há coisas que a Igreja diz que eu até entendo, sabe? Como a polêmica da camisinha. Pois eu digo, se com a Igreja sendo contra o uso da mesma ainda tem um bando de jovens realmente jovens (não de vinte anos) que ainda não se tocou que não é pra fazer sexo nessa idade, imagina se ela for a favor?! Ah, pode usar camisinha. Meu Deus, São Paulo vira uma orgia! Porque aí, vai todo mundo fazer sexo pensando: ah, eu vou usar camisinha mesmo. Grande merda! (e me desculpem o palavreado) A camisinha pode estar furada, sabiam? Ela só funciona em 98% das vezes, ok? Idem é o aborto. A Igreja é contra o aborto. E eu também – salvo os casos em que há estupro. Queridinha, se você quer sair abrindo as pernas por aí o problema não é do óvulo fecundado, tá bom? “Ai, mas eu namoro ele há seis meses!”. Pra falar português bem claro, foda-se. (me desculpem, é que esse assunto me revolta. -.-‘). Eu namoro há um ano e ainda sou virgem!

Mas, voltemos à essência do post. (que, pelo menos à princípio, não era sexo) Porque é que eu tenho que me confessar? Razões para não me confessar:

a) eu nem conheço o padre
b) o padre nem me conhece
c) não vou ficar falando pra quem não conheço/me conhece da minha vida

Razões para me confessar de acordo com a minha mãe:

a) o padre pode te dar conselhos
b) o padre vai me dar a penitência

Razões para não me confessar (em resposta às razões da minha mãe):

a) eu não vou falar da minha vida pra quem não conheço/me conhece só pra ganhar conselho – se é assim, eu falo com um amigo ou meus pais
b) desde quando ficar ajoelhando rezando quinhentas e quarenta e quatro ave-marias vai ser “pagar pelos meus pecados”?

Me desculpem (pela terceira vez), mas se alguém matar o seu pai você vai mandar ele rezar o terço e tudo fica bem? Se ficar, eu tenho medo de você. ‘-‘ (nunca me contate, okay?) E sobre os conselhos, eu falo com Deus e ele me mostra, do jeito dele, o caminho a seguir. ^.^Ah, mas quer saber? Eu cansei de ficar revoltada, vou parar com isso! (Na verdade, não vou, não. Isso é impossível pra mim. Só disse por dizer, mesmo.) Hm, qualquer dia eu coloco uma perucona e uma maçã na cabeça, pra dar uma Isaac Newton e encher o saco da Igreja. (sim, ele encheu o saco da Igreja, dos falsários, de meio mundo e era obsecado por vermelho. ‘-‘ – nota: se quiserem mais sabedoria últil [e inútil], aqui está.)

Beijinhos,

Letii

P.s.: Ah, me desculpem (caramba! Até eu cansei de me desculpar hoje!) por demorar pra postar esta semana – é que a minha mãe usou bastante o computador esses dias (isso sem contar meu pai e minha irmã. >_<”)

As maçãs da rua LoVe

Olá, gentinha lindinha! Desculpem-me por demorar pra postar é que, como diria um certo melhor amigo meu, eu estava uma bussiness woman durante esta semana. Bem, eu não sei extamente sobre o que postar hoje. ‘-‘ Tenho algumas ideias, mas estou com preguiça. ¬¬’ Hm, que tal um poeminha? Ok, será um poema meu. Um dos meus preferidos.

 

 

As maçãs da rua LoVe

Era uma noite fria.
As maçãs da árvore da calçada
Reluziam à luz do luar,
Tornando-se unicamente coloridas
Em meio àquela escuridão.
Talvez, aquela rua realmente quisesse ficar sozinha,
Mas eu atrapalhei sua solidão.
O vento machucava meus lábios
E nem mesmo o céu me roubou a atenção,
Naquela noite…
Minhas mãos não se importavam em enxugar minhas lágrimas,
Mesmo que estivessem fortes o bastante para isso.
Meu corpo postava-se à beira da calçada,
Provavelmente, numa falsa esperança.
Eu realmente queria ter ficado mais dez minutos lá.
Eu queria ter tido outra chance de ver as estrelas,
Mas, desta vez, sem você.
Contudo, não houve tempo.
Uma luva preta me tirou as lágrimas de uma forma agressiva.
Cobriu metade do meu rosto
E eu não pude respirar.
Senti as grades do portão resfriarem minhas costas.
Defloração*.
Dor.
Fui atirada ao chão.
Meus cabelos dançaram com a pedra fria da calçada.
Foi então que minha cor juntou-se às maçãs,
Num vermelho perfeitamente líquido.

16:42          17.06.2009

 

*Para aqueles que não sabem, defloração é desvirginação.

É, não é muito legal, mesmo.

Beijinhos,

Letii

 

A menina do guarda-chuva

Ôôôi! Hoje, voltaremos à sessão “historinhas [macabrazinhas – é só dar uma olhada no final do João Felpudo] da vovó da Letii”! E, apresentando agora A menina do guarda-chuva!

Era uma vez, uma menina que ganhou um guarda-chuva de presente. A garota gostou tanto dele que levava a droga do guarda-chuva ABERTO pra tudo quanto é lugar, não importanto se estava sol, chuva, neve, tempestade de areia (?), chovendo granizo, dia, noite, etc. Além disso, era guarda-chuva em casa, na escola, no restaurante, na roda gigante e onde ele coubesse ou não. Como a menina era muito magrinha, sua mãe vivia dizendo: “Minha filha, para de levar esse guarda-chuva pra onde não precisa e quando não precisa! Um dia, vai bater um pé-de-vento e você vai sair voando e a gente nunca mais vai se encontrar!”. Mas a garota deixava entrar por um ouvido e sair pelo outro. Até que no tal “um dia“, bateu um ventão, a menina de guarda-chuva aberto, a menina saiu voando e ninguém nunca mais encontrou.

mary-poppins-mv03
Quem sabe? Ninguém nunca mais encontrou mesmo.

EU NÃO DIIIIIISSE QUE ERA MACAAAAAAABRA?

Beijinhos,

Letii

João Felpudo

Além de um nome engraçado, João Felpudo é uma história do tempo da minha avó – que ela me contou hoje. õ/. Seguinte:

Era uma vez, um menino chamado João (óóóóóó! ¬¬’). João não gostava de tomar banho, cortar as unhas e os cabelos. Por mais que sua mãe insistisse, João se recusava a fazer sua higiene diária. Para assustar o menino, ela dizia: Menino, você vai ver! Um dia, o alfaiate vai aparecer aqui na cidade, com a tesoura grandona que ele tem, e vai cortar as suas unhas e o seu cabelo!. Mas João nunca ligou muito pra isso. Aconteceu que o bendito do alfaiate apareceu e João foi correndo pra casa e ficou quietinho. A mãe percebeu o comportamento estranho do filho e acabou descobrindo o porquê. Então, enquanto João dormia, ela chamou o alfaiate que cortou o cabelo do garoto bem curtinho e suas unhas. Quando João acordou e se viu daquela maneira, o alfaiate – que ficou fazendo não sei o que lá na casa do moleque (hmm, eu acho que ele ficou com a mãe do Joãzinho… E os dois beeeem acordadinhos. Hum, hum? *levanta as sobrancelhas duas vezes*) – lhe disse:

Olha aqui, se você deixar seu cabelos crescer tanto daquele jeito, eu volto aqui e corto muuuito mais curtinho. E se você deixar de cortar as unhas, eu vou arrancar todas – tanto dos seus pés quanto das suas mãos. E se você não começar a tomar banho, eu volto aqui e esfolo você com uma lixa até sai sangue!

Nem preciso dizer o que fez o joãozinho desse dia em diante, preciso?

felpudo
Óun, ele também é felpudinho. ^.^ (mas ele toma banho… querendo ou não. ‘-‘)

P.s.: Violência? Magiiiiiiiina. *meeeeedo. MUITO medo!* Ah, pra quem ainda não se tocou, é João Felpudo porque ele deixou o cabelo crescer bastante, tá? 😉

P.s.: Arroz e feijão

ARROZ_~1Oi, eu estou na praia. B) –> parece o Batman. -.-‘ Hm, estou beeeem melhor. Já conversei com o Flá, a Ana, etc. Mas, então. Do que falaremos hoje? Ah, perdoem-me se eu não escrever bem, é que eu estou com sono. ._.

Ah, já sei! Bom, hoje eu comi comida japonesa (hummm), mas, se tem uma coisa que eu tenho certeza é: eu não trocaria nada pelo meu arroz e feijão de cada dia. Porquê? Bem, porque a) eu fui acostumada com isso e b) aah, eu iria enjoar de tanto peixe cru! A verdade é que eu gosto do Brasil. Aliás, AMO. Adoro qualquer coisa típica brasileira, historinhas do folclore, carnaval e arroz e feijão. Porque a gente tem que lembrar além dos políticos corruptos, da miséria e da ganância – afinal, querendo ou não, isso existe no mundo inteiro; acontece que a gente não tem tanto contato com essas coisas do exterior. Temos de ver o nosso país não como o melhor, mas como o que lugar nenhum é. Porque o Brasil é lindo, tem um povo festeiro e alegre e eu não escolheria lugar nenhum pra morar (nem mesmo o Japão – e olha que eu sou fanática desde os três anos!). Ah, ser escoteira e patriota (escoteiros geralmente são patriotas. ¬¬°) é liiiindo. La-la-laa.. Eu estou com sono.

...

Tchau.

P.s.: Beijinhos!! Letii (estou super alegre – acho que é por causa do sono – não me perguntem, já respondi {o quê?}. Humpf.)

P.s.s.: Acho que não sirvo muito pra postar com sono…

P.s.s.s.: Isso daqui tá parecendo mais o meu diário…

P.s.s.s.s.: Meu diário = eu + Ana escrevendo num caderninho verde.

P.s.s.s.s.s.: Tá, acho que já deu pra vocês cansarem dos ps’s. Tchauziin. ^.^

Uma breve explicação

Bom, eu estava visitando o PostSecret e acabei encontrando essas imagens. Inevitavelmente, elas combinam com o meu medo de me arrepender, citado há dois posts atrás.

 

return 
Deixei meu melhor amigo ir pra guerra sem lhe contar que eu estava
apaixonada por ele, porque eu tinha muito medo que ele não voltasse.

 

onback_RIPJulia
Eu sempre quis te convidar para passar feriados com a minha família.
Eu sabia que você vivia sozinho no andar de baixo. Nunca te convidei
e agora nunca poderei.


nomeatonfriday
Eu queria que nós tivéssemos perdoado um ao outro
antes de você ser assassinado.

 

friends
Nós prometemos que ficaríamos amigos quando estivesse tudo acabado.
Não ficamos.

 

Só uma breve explicação do que eu tenho medo.

Beijinhos,

Letii

Isso aí

ssmile

Incrivelmente, hoje eu estou bem. Aquele problema me atazanou um pouco hoje, mas eu me animei. Aliás, me animaram. Com algumas frases, um refrão bobinho… É maravilhosa a forma como coisas pequeninas podem nos deixar felizes, não é mesmo?! E Deus viu que tudo era belo… Ah… É, sim! Mediante a tantos problemas, o meu não pode ser tão grande assim! Eu estou feliz e acabou.

Ontem, eu chorei. Hoje, eu sorri. E me orgulho disso. Me orgulho de não ter me deixado levar pela tristeza, pela dor. Me orgulho, por que esse era um dos meus objetivos e eu não facassei. Não resolvi nada, pra falar a verdade. Mas andei leve na rua e consigar não pensar durante um tempo. Andei sorrindo, cantando, parando para cheirar as flores. Isso também me animou. Pelo menos até amanhã, não vou lembrar das coisas ruins, disso eu tenho certeza.

Se vocês querem saber, até pensei naqueles que detesto. Isso, para mim, é sempre foi muito difícil. Mas, hoje não foi. E eu me senti tão bem que já pensei em fazer isso de novo! Tão leve, tão alegre… Eu sei que a vida devia ser bem melhor e será! Mas isso não impede que eu repita: é bonita, é bonita e é bonita!

É isso aí. 😀

Anti-contos-de-fadas

meu fracasso

E enquanto a minha mãe falava comigo, eu chorava de soluçar. Porque parecia que aquilo me entristecia mais que a qualquer pessoa. Eu já havia tentado aquilo há tempos. Tentado ser uma melhor ouvinte e ter mais amigos. Eu achava que tinha conseguido ao menos uma parte disso. Mas, como ela não tocou mais no assunto, pensei que não havia problema em não ter alcançado meu objetivo. Acontece que ela tocou nesse assunto, hoje. E eu senti que havia fracassado. É disso que eu tenho medo. Do fracasso. Mas eu tenho muito medo, e quando eu digo muito, é muito mesmo. Principalmente por causa do meu outro medo: o de me arrepender.

Fiquei muito triste, isso realmente me pegou de jeito. Depois da conversa, fui chorar no banheiro porque não conseguia parar. Lembrei-me dos três piores meses da minha de meros quinze anos. Singelos. Três meses mergulhados em uma panela de depressão fervente. Eu havia fracassado. Nos três meses, eu não contei àquele garoto que gostava dele – apesar de repetir milhares de vezes que o faria. E ele passou a namorar outra menina, e eu fiquei em casa, presa à minha cama, fracassada. Hoje, isso não me parece muito grande, mas eu me senti muito mal naquela época. Tentei me alegrar com algumas frases e me lembrando de momentos felizes, mas não funcionou.

Eu, decididamente, tenho amigos. Mas ela quer amigos que estejam mais perto de mim. Não de outrras cidades ou escolas. E eu não quero. Porque eu gosto dos que tenho.

Eu chorava e imaginava o rímel correndo líquido pelas maçãs do rosto. Sentia o guardanapo desfazer-se em minhas mãos, molhado pelas lágrimas. Podia perceber o batom sumir nas faces de meus lábios e minhas mãos enfraquecerem ao exugar aquela tristeza. Não foi uma cena muito legal, definitivamente.

Se vocês esperavam um final feliz, sinto em dizer-lhes que, se há de haver algum, ainda não chegou. Mas não percam a esperança, isso já me ajudou muito. Mas, por enquanto, é isso. Só isso. Não insistam.

Uma plantação de melancias

melancia-quadrada_1O fato é: de uns tempos pra cá, a moda vem sido ser diferente de todo mundo. Já estou careca (ou não) de ver comunidades no orkut do tipo: Não mudo por ninguém, Sou anormal, etc. Mas isso não é ter atitude nem aqui nem na casa do chapéu, queridos! Até onde eu sei, moda é um padrão utilizado pela maior parte das pessoas. Sendo assim, como é possível se encaixar num padrão em que se é diferente de todo mundo? Moda é, resumindo, todo mundo igual, exatamente como uma plantação de melancia! Acontece que a população não para muito pra pensar. As pessoas passaram a acreditar que devem viver à risca do famoso seja você mesmo. Isso, particularmente, me irrita. Sem contar que isso também pode ser um grande erro. Veja só: nós devemos sempre tentar mudar. Para melhor, é claro. Ter a postura imutável de que eu não vou mudar por ninguém é uma baita besteira! Desse jeito, você nunca vai se importar se magoou ou não certa pessoa, o que vai te isolar do resto do mundo – ou seja, você vai virar um velho rabugento.

Se tem uma coisa que eu ouvi (em uma música dos Seminovos) é: atitude em cabeça vazia não é coisa nenhuma, é só hipocrisia. E eu não tenho motivos para discordar.

Beijinhos,

Letii

Letra da música: http://vagalume.uol.com.br/os-seminovos/atitude.html

Navegação de Posts

%d blogueiros gostam disto: