A menina que matava caracóis

Filosofias úteis, inúteis e outras coisas que você pode não precisar.

Cartas inconclusas

Bem, minha gente. Recebi um texto lindíssimo do Henrique pra colocar no blog. Além disso, é bom dar um intervalinho no livro, cria mais suspense. =D Aqui vai, espero que gostem (eu gostei. 🙂)

carta

Tornei-me um expert em fazer cartas ou registros gráficos e, simplesmente, não concluí-las.Não sei qual a razão de tal procedimento, mas está se tornando uma constante em minha vida.Quanto mais tenho vontade de escrever para as pessoas que gosto, mais tenho vontade de não completar as cartas.Parece até que existe um pendência, algo para acontecer, que pode fazer com que a carta não termine ou que seja apagada.
Aconteceu com os meus antigos amores.Existe uma carta de reconciliação que nunca saiu da pasta “My documents” do meu computador para as linhas manuscritas.Tenho esperança que daqui a uns dez anos terei coragem pra entregá-la, isso se o destinatário não falecer.As minhas cartas inconclusas revelam os meus relacionamentos incompletos e escondem amargas decepções nos seus últimos parágrafos imaginários, tal qual uma fábula sem a “moral da história”.São registros difíceis de se concluir, difíceis de se por um ponto final.
O papel imprimiu registros de épocas maravilhosas e de períodos de confusão existencial.Eu era vítima dos relacionamentos e as cartas eram minhas vítimas.Vítimas de tudo o que eu achava e não tinha coragem pra falar, vítimas de tudo o que eu falava mas não sentia.Vítimas de um monólogo destrutivo.
Durante muito tempo elas foram meu consolo, e só depois descobri que elas eram feitas pra mim.Reler cartas não entregues têm sido um gratificante exercício de auto-avaliação.Nelas estão impressas marcas do meu comportamento e as provas das minhas mudanças conceituais ao longo da adolescência.Talvez daqui a algum tempo elas sirvam como um freio para as minhas ansiedades e sejam uma “chamada no saco” para alguns futuros deslizes.

“Se eu soubesse que esta longa estrada tem um fim
Que me permitisse, lá chegando, repousar
Mesmo se tivesse de aguardar por cem mil anos,
A esperança rebrotaria em meu coração.”
(Quadra 16, Omar Khayyam in Rubaiyat)

As cartas fazem que a esperança rebrote em meu coração. A longa estrada é a vida e seus percalços.Os percalços escrevem a minha história.Minha história está inconclusa.

 

Navegação de Post Único

2 opiniões sobre “Cartas inconclusas

  1. Jinx em disse:

    Aê, que texto mara! *-*

    bem Jinx nos ultimos tempos… escrever sempre mas não concluir nada .-.

    hauehauhe

    Congratulations pro seu amigo Lê! 😀

    Ótimo texto!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: